quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

Trilha da Cachoeira dos Primatas

E fui até a Cachoeira dos Primatas, depois de caminhar com o povo da AACS (Associação dos Amigos dos Caminhos de Santiago).
Então eu já havia subido até a Vista Chinesa e descido.
A Floresta da Tijuca é algo obrigatória aos aventureiros.
A trilha nova que fiz, não é tão difícil, mas tem uns momentos de "escalaminhada" nas raízes de árvore.
Uma trilha, praticamente virgem .... acho que foi a trilha mais crua, mais natural, que eu já fiz ... a mata é bem fechada e fiquei, algumas vezes, com a sensação de estar perdida.
Parece uma trilha pouco frequentada, e acredito que realmente seja.
A placa, que eu imaginava estar no início da trilha, como vi nas fotografias de um blog, já não estava mais lá.
Só havia sobrado o poste metálico.
Da Rua Pacheco Leão, entramos num condomínio .... sim , o acesso à trilha é por dentro de um condomínio, com controle de entrada e saída de carros (podemos estacionar lá dentro).
A rua principal e de referência é a Sara Vilela .... no final dela tem um larguinho, como um estacionamento. 
A subida da trilha é uma entrada, na mata, pela direita.
Tem logo uma grande rocha, na entrada.
Vamos caminhando e encontramos um córrego, com um cano de metal, ao longo dele, elemento que devemos transpassar e seguir, subindo, para a esquerda.
Num larguinho, acima, junto a outra grande rocha, o caminho bifurca ... e seguimos para a direita, como quem vai seguir a trilha para o Morro do Corcovado.
Aliás, esta trilha é parte da Transcarioca (180 km) ...
Se seguir para a esquerda, encontraremos a Cachoeira da Gruta e a do Jequitibá.
Acredito que, no total, e à partir do estacionamento, leva-se uns 30 minutos até a Cachoeira dos Primatas.
A atração se divide em duas etapas .... a primeira queda d'água forma uma piscina natural, com água até os joelhos.
Um cantinho lindo, até mais bonito (para mim) do que o local da queda d'água principal, a Cachoeira dos Primatas.
Fiz muito belas fotografias ali.
Mas a cachoeira principal está logo ali acima, uns 5 minutos, seguindo pela direita.
E chegamos lá ... um grande largo rochoso, e sem água acumulada.
Sim, a Cachoeira dos Primatas não forma piscina .... é uma queda d'água sobre a rocha (bem escorregadia, por sinal) como um generoso chuveiro.
Por algum tempo, fiquei por ali, sozinha.
Não havia muita gente caminhando, por aqui, hoje.
As águas pertencem ao Rio Algodão, que lá embaixo, alimenta também a Lagoa Rodrigo de Freitas.
Um bom banho de cachoeira, depois de subir a Vista Chinesa, e a própria trilha da Cachoeira dos Primatas.
Valeu muito à pena.
Foi minha primeira vez nesta trilha.
Estive aqui em fevereiro de 2018.

sábado, 27 de janeiro de 2018

Vídeo Banho na Cachoeira do Camorim ... com vídeo cacetada !!





Trilha do Açude e da Cachoeira do Camorim

Quem diria, heim ?!
Deu para fazer trilha no dia de hoje.
O dia amanheceu bem nublado, mas com indícios de que iria melhorar.
Combinei com mais três pessoas fazer a Trilha d Açude e Cachoeira de Camorim.
Kamuri é o nome tupi-guarani para Robalo, um peixe que costumava subir do mar até a Lagoa do Camorim, para desovar, e ai o local ganhou este nome.

O Parque Estadual do Maciço da Pedra Branca tem uma área de quase três vezes o tamanho da Floresta Nacional da Tijuca, e abrange cerca de 17 bairros da Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro.
A mata aqui, diferente da outra floresta, é natural, faz parte da Mata Atlântica original.
A Floresta da Tijuca foi quase que totalmente, replantada após tentativa de fazer dela uma grande cultura do café, no passado.
E sua importância também está em guardar o ponto mais alto do município, a Pedra Branca, com seus 1025 metros acima do nível do mar.
O Pico da Tijuca, na floresta de mesmo nome, é o segundo, com 1021 metros.
A segurança é notadamente maior, nas trilhas do Parque da Pedra Branca.
Então, pela terceira vez, me aventurei por aquela mata.
E foi maravilhoso !!
Tudo começa na Estrada dos Bandeirantes, para onde segui caminhando, à partir da minha casa.
O Supermercado Unidos é a melhor referência.
Tomamos a Estrada do camorim, logo ao lado do mercado.
Seguimos, seguimos, seguimos, sempre pela principal.
Depois de uns 15 minutos, chegamos ao largo onde está a Igreja de São Gonçalo de Amarante, fundada em 1625.
Tomamos a estrada à esquerda .... 
Chegamos a uma nova bifurcação, tomamos a esquerda, novamente.
E seguimos .... as casas começam a rarear, até que seguimos somente uma via, cercada de vegetação, só vegetação, dos dois lados.
Gotículas de chuva toda hora ameaçavam ... nada que assustasse trilheiros de verdade !!
No centro de visitantes do parque, pedem nosso nome, um documento, telefones de contato.
A trilha até o açude tem aproximadamente 4 quilômetros ... em bom passo, algo como 1 hora, 1:10 hs.
 O desvio para a cachoeira ocorre uns 20 minutos antes de se chegar à represa.
A trilha é quase sempre de terra, daquela avermelhada, que não faz lama quando molhada.
São  muitas árvores, nativas e exóticas (aquelas que não são originárias das Américas, mas importadas de outros lugares como a Ásia, por exemplo) ... a jaqueira é uma espécie exótica, pois veio da Índia.
Alguns trechos estavam encharcados, afinal, ontem choveu bastante.
Mas tudo dentro do previsto.
Desci primeiro para a cachoeira, aquela ribanceira, cheia de raízes e pedras.
Todo o cuidado era pouco pois as raízes, nas quais apoiamos estavam úmidas.
E fiquei por algum tempo, com ela só para mim .... um MILAGRE !!

A água estava bem agradável, possivelmente porque o dia não estava tão quente.
Nem pensava em me molhar mas, confesso,  não resisti !!N

Das outras duas vezes, esta fria de doer !!
E fiz muitas fotos, e fiz vídeos ...
Com a roupa, ainda encharcada, parti para o açude, pois pra mim esta trilha só é completa se tiver a Cachoeira do Camorim, o Açude do Camorim e a Cachoeira Véu de Noiva.
Pouquíssima gente lá.
E o açude é aquilo, não se vê nada muito bem ... não tem um mirante, um lugar privilegiado, ou então, eu ainda não o descobri.
Voltei ...
Chegando ao Centro de Visitantes, fui ao banheiro trocar minha roupa, uma roupa seca.
Daí saí para a Véu de Noiva, logo ali pertinho.
São 30 metros de altura e, realmente, lembra o véu de uma noiva.

Nesta nós não podemos entrar nesta cachoeira para banho. 
Informam que esta água é usada para abastecimento das residências, água potável para consumo humano.
Inclusive, fica ao lado de uma estrutura de poços da CEDAE.









Em dia de muita chuva é possível se abrigar sob esta rocha gigantesca !!
No caminho encontramos a ruína de uma casa que, dizem, foi construída na década de 70.



Estive lá em Janeiro de 2018 !!

domingo, 21 de janeiro de 2018

Trilha no Morro das Andorinhas !!

Foi nossa primeira vez em trilhas na Serra da Tiririca, em Niterói, mas faz parte também de Maricá.
Tem uma área aproximada de 3.500 hectares.
Foi visitado, em 1832, pelo naturalista inglês, Charles Darwin, o que certamente também contribuiu para a elaboração de sua Teoria da Evolução.

Fomos em companhia do Passeios Gratuitos, do Luis Claudio.
O ponto de encontro foi na frente do McDonalds da Central do Brasil, às 8 hs.
O grupo não estava tão grande ... talvez umas 30 pessoas ?
E tomamos o ônibus da linha 770 Candelária - Itaipu (R$ 8,45).
Leva mais ou menos uma hora para chegar a Praia de Itaipu, passando antes em Itaquatiara.
Subimos à partir da Praia de Itaipu, junto ao MAI (Museu de Arqueologia de Itaipu), algo como somente 20 minutos.
São dois mirantes, o que fica em direção à Itaquatiara, e o outro, virado para a Praia de Itaipu, de onde se vê a Praia de Camboinhas, a lagoa de Itaipu, e a cidade do Rio de Janeiro, ao longe.
A vegetação é a de restinga, neste rochedo que separa Itaipu e Itaquatiara. 
Uma aventura muito, muito fácil .... acho que a trilha mais fácil que eu fiz !!



Faz parte da Mata Atlântica, composta com ecossistemas costeiros.



O PESET (Parque Estadual da Serra da Tiririca) também protege áreas adjacentes ao parque como o Morro das Andorinhas (nossa trilha desta aventura) , Núcleo Restinga e Duna de Itaipu.
No final do passeio, descemos para a Praia de Itaipu, para um bainho de mar ... foi show, mas a água estava bem gelada !!
Eu entrei mesmo assim ...
Estivemos lá em Janeiro de 2018 !!

quinta-feira, 4 de janeiro de 2018